quarta-feira, fevereiro 07, 2007

Carta-testamento

Meus queridos familiares, escrevo esta carta aos 87 anos e não acho que vá durar muito mais. Mesmo assim, quero que todos se lembrem de mim com alegria, porque tive uma vida maravilhosa. Quem diria que aquele menino da Sorocaba dos anos 20 chegaria tão forte? Não entendo! A janela está fechada, estou com três blusas e duas calças e ainda assim estou com frio. Mas o Canadá, naquela época era assim. Foi o melhor inverno da minha vida. Foi quando nos conhecemos querida, lembra? Luizinho, Sastre, Remo, Teixeirinha e Leônidas, o Diamante Negro. Não é à toa que desenvolvi diabetes e cheguei a esta situação, mas assim é a vida.

Tenho tanto pra dizer... Meus filhos, vocês são o que de mais precioso eu construí ao longo destes anos. Lembro de cada detalhe da infância de vocês, como se o mundo fosse acabar com aquela convocação. Mas eram tempos de guerra e era meu dever cívico defender nossa pátria e os aliados. A Europa era inóspita, mas lua por lua, fico com a nossa. Você nasceu no dia em que homem pisou lá pela primeira vez. Sei que você nunca havia visto nada parecido, mas não acreditei quando disse que não gostou daquele sanduíche de mortadela. Era o mais famoso da cidade! Depois foi pro Cirque de Soleil e nunca mais tive notícias dele. Foi assim que eu e seu tio perdemos contato. Mas eu tenho certeza que há vida inteligente em algum lugar lá em cima e vamos conseguir falar com eles. É pena que não estarei mais aqui.

Mas chega de saudade. Foi a primeira bossa que ouvi e me lembro direitinho da sensação: foi horrível. Aquelas torres caindo, um ataque tão brutal. Nunca imaginei que veria algo daquela magnitude. Mas minha filha ali, parindo meu primeiro neto... Que grande batedor de faltas, aquele rapaz. É pena que tinha problemas de peso; dizem que na concentração, durante a madrugada, comia escondido. Era o rei dos assaltos ao cofre. A combinação é 8, 0, 5, 2 sets a 1 no tie break. Que jogo! Era difícil acreditar que nunca mais veria o Agassi jogar novamente. Adorei estar com vocês naquela quadra, foi emocionante e chorei muito, vocês se lembram? Nunca imaginei que me afeiçoaria tanto assim a um cachorro.

Espero que ao lerem esta carta, todos se lembrem com carinho deste velho e que brindem à minha saída de cena como estou fazendo agora, com um "tim-tim". Acho que o telefone acabou de tocar, mas não vou atender. Então, continuo:

- 1kg de tomate (pegue os mais maduros)
- Lester Young, Eric Dolphy e Bill Evans
- contatos profissionais, encontrar amigos

Eu e toda a minha família desejamos um feliz aniversário pra você e que encaminhe essa papelada e os documentos do processo ao setor jurídico.

Atenciosamente,

Feliz 1988!

Marcadores: , , ,

Adicione este post ao del.icio.usAdicione este post ao TechnoratiAdicione este post ao DiggAdicione este post aos favoritos do GoogleAdicione este post ao stumbleuponAdicione este post ao facebookAdicione este post ao LinkkAdicione este post ao UêbaAdicione este post ao diHITT

2 Comentários:

  • Nossa..... em toda minha vida, nunca havia lido um testamento tão gesticulado e complexo assim! E isso porque eu já vi testamentos passados em papel higiênico hein...(pena que não se consegue registrar em Títulos e Documentos na Rua XV de Novembro no centro)...


    B.

    Por Anonymous b, às 11:00 AM, fevereiro 08, 2007  

  • Ô tempo bom!

    Parece que ocorreu há tão pouco tempo... Me lembro de tudo como se fosse amanhã.

    Por Anonymous Outro, às 9:09 AM, fevereiro 09, 2007  

Postar um comentário

Links para este post:

Criar um link

<< Voltar para a Página Inicial


Jujubinhas Sortidas: Alien | Aviso | Blogueiro Convidado | Deficiência | Entrevista | Errata Comics | Humor | Imagem | Morto do Dia | Passatempo | Religião | Sexo
© Copyright 2006-2009, Blog Revista Errata - Humor Nonsense